Music Run

A Music Run foi idealizada pelo Instituto Cérele e ano passado teve uma de suas etapas bastante criticada por questões operacionais. Muita gente inclusive declarou que não faria mais provas organizadas por eles. A organização estava empenhada em recuperar a credibilidade prestada.

De cara, houve uma mudança no local de retirada de kit e talvez movido pelas reclamações, fizeram a entrega dos kits no local da prova até poucas horas antes da largada, o que pode ter sido uma facilidade para muita gente,

Seguindo a tendência de caça aos “pipocas”, foi dificultada a entrada de pessoas dentro do Memorial da América Latina, mas houve alguns pequenos problemas no gargalo que se formou na estreita entrada do portão que parecia não suportar tamanha demanda e isso agravou-se um pouco com uma pequena confusão proveniente de um corredor não inscrito que forçava sua entrada congestionando ainda mais o fluxo pelos seguranças que tentavam afastar tal corredor,

Uma vez lá dentro, penso que a largada teria sido facilitada e sofreria menos com os pipocas, mas a organização não se aproveitou da estrutura e a largada foi do lado de fora. E a largada foi um tanto confusa sem se saber direito de onde se largaria, mas nada que uma pergunta prévia ao pessoal do suporte não pudesse resolver.

Dada a largada, os corredores logo adentram o Elevado e a quantidade de corredores que invadiram a pista contrária de onde deveria ser a volta dos competidores, colocava em risco alguns atletas que insistiam em voltar para a pista mesmo depois de terem sido orientados pelo apoio de motocicleta.

A quantidade de pessoas que corria essa prova pela primeira vez, justifica um pouco corredores formando paredões, correndo em Z cortando qualquer corredor e outras práticas que poderiam ser mais propícias ao esporte.

Terminada a corrida, havia um caminho para quem havia optado apenas pela corrida (que teve um preço bem acessível) e outra para os que optaram por ver o show também e ouvi de muitos corredores que se soubessem previamente que a banda da noite seria o Camisa de Vẽnus, teriam optado por essa opção com o show que teve a abertura de uma competente banda cover do Queen. Essa seria a grande mudança a ser feita para uma próxima etapa da corrida. Saber-se no ato da inscrição que banda vai tocar.

Vale ressaltar que a camisa da corrida era lindíssima e a mais bonita das corridas que participei (obviamente levando em conta que gosto é pessoal). Foi a primeira vez que usei a camisa fora de provas ou treinos para se ter uma ideia.

A prova não é uma prova para corredores nato e nem se propõe a isso. Ela é o limiar entre uma corrida de rua e uma balada. Quase como se fosse a balada mais fitness que se tem notícia.

Uma boa pedida para quem almeja por algum diferencial nas corridas de rua, ou quem sabe, para aquele baladeiro que começa a achar que deve se preocupar com a saúde..

 

.IMG_20170415_212240

Demétrius Carvalho Written by:

Be First to Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *