Parece que não entendemos nada…

A grande vantagem que se tem com acontecimentos passados é a análise de dados para que se possa minimamente entender alguma coisa e pautar as decisões baseadas nessas experiências, mas por vezes, os seres humanos simplesmente ignoram alguns sinais. Ignorância? Manipulação? Egoísmo? Parece que só o tempo dirá…

A questão é que alguns líderes sejam eles políticos, religiosos ou meramente financeiros (quando não sobrepondo mais de uma das categorias) até prospectam um cenário muito mais sombrio do que o propagado por eles mesmos, mas, preferem fazer a máquina girar.

Uma das maiores pandemias de todos os tempos, junto com uma das maiores crises econômica da história acontecem simultaneamente e assim já podemos ter a certeza de que temos um período nebuloso pela frente mesmo que algumas previsões otimistas digam que não, mas quero reforçar, apenas um dos dois já seria suficiente para mudança no quadro mundial.

Historicamente, do ponto de vista financeiro, a quarentena tanto preservou vidas como recuperou financeiramente mais rapidamente quem tomou atitudes mais severas. Há quem queira negar.

No entanto a economia será devastada queiramos ou não. Uma conjunção de fatores piora a situação. O mercado já vinha demonstrando não ter mais reservas para continuar funcionando da forma que conhecemos e entramos então em uma escolha ética/moral: Salvar pessoas ou salvar o mercado? Podemos ter argumentação tanto para vidas como para o mercado mas confesso que percebo entre os que escolhem a vida, a simples vida basta, enquanto os que escolhem o mercado, encontro uma divisão de grandes causas (e você pode complementar a lista de ambos os lados caso eu não tenha enxergado algo). Pessoas que podem se resguardar com a quarentena mas atiçam a população a ir trabalhar, pessoas desesperadas por sua limitação financeira, os que não acreditam no que está acontecendo e claro, uma parcela realmente sensata que apresente uma argumentação válida.

Letalidade do Covid-19 até o presente momento

Se olharmos a letalidade do Brasil frente aos países mais devastados, podemos por um lado ficar satisfeitos e nisso percebemos que a quarentena imposta surte seu efeito mesmo não tendo uma adesão tão grande como esperada. Por outro lado, basta compararmos aos Estados Unidos para perceber que temos números piores do que os americanos e isso pode ter consequências absolutamente graves. E Dória e vários outros governadores ensaiam relaxamento da quarentena quando sequer chegamos no pico da pandemia. Onde peca nossa percepção?

Em se fazer apenas o comparativo em números absolutos. O Brasil, assim como os próprios Estados Unidos são países continentais com população muito maior do que qualquer país europeu. Do ponto de vista populacional, temos mais do que o dobro da população da Alemanha que é o maior país em termos populacionais da Europa. Das previsões entre 60 e 80% da população podendo ser infectada previsto por especialistas e com o próprio presidente Jair Bolsonaro admitindo que cerca de 70% da população brasileira deve se infectar, tendo a atual taxa de letalidade do Brasil em 6,4%, faça você os cálculos de que números podemos chegar.

A solução não é de forma alguma simples senão vários países já teriam resolvido o problema, mas temos estratégias que estão funcionando mais do que outras. No gráfico abaixo por exemplo, temos uma distinção entre os países adeptos das máscaras e os que não:

Diferença nas curvas de quem usa e quem não usa máscaras

A máscara é a solução? Claro que não, mas temos um indício interessante. O que podemos dizer dos países dirigidos por mulheres então? Elas são menos competitivas e mais solidárias do que os homens? Eu sinceramente não posso responder, mas temos mais evidências para que aprendamos em pandemias futuras.

Quanto a questionar a imagem do cemitério de Manaus, o que esperamos? Que a morte se faça presente entre os nossos? Em uma lógica de crescimento exponencial e pelo que temos visto, as próximas semanas serão cruciais não só para o Brasil como para a América Latina e pode ser que eu não tenha entendido nada também mas eu prefiro ter me resguardado com exagero do que correr o risco de virar estatística. Quanto ao mercado, ele já foi devastado.

“A pena” ao mercado, ele nunca teve nem nunca terá dó de ti. Se o preço do petróleo está negativo é porque a queda pela procura fez a produção empacar e manter esse petróleo parado é mais caro do que pagar para que vocÇe o leve. E aquele papo do mercado que se auto regula? Balela…

No final das contas, temos os que escolhem vidas e os que escolhem o mercado. Ainda não me convenceram pelo mercado mas ouvirei suas argumentações…

P.S.: Sobre a cloroquina, nem eu e muito provavelmente você também não tem sequer conhecimento de causa por sua eficácia ou não. Os testes continuam sendo realizados e ficamos na torcida que ele ou qualquer outro remédio posso salvar vidas.

Demétrius Carvalho Written by:

Be First to Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *